Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
product

Lá nos anos 30, a CIE – Comission Internacionalle de L’Eclairge, criou um sistema para classificar a tonalidade da luz emitida pelas lâmpadas, chamado “temperatura de cor correlata”, no qual, era possível classificar a cor de acordo com a temperatura. A unidade de medida da temperatura de cor é o Kelvin (K). Quanto mais alta for à temperatura da cor mais clara é a tonalidade da cor da luz.

Podemos usar como exemplo, um ferro, que quando se encontra no estado frio, possui uma cor escura, mas quando ele é exposto a uma temperatura de 800k, passa a ter uma emissão de luz vermelha, luz amarelada ao ser exposto a 3.000k e branca azulada quando exposto a 5.000k. 

Na hora de escolher a lâmpada correta, surgem muitas dúvidas sobre qual a melhor para cada ambiente, por isso fizemos esse texto para ajudar você. Continue lendo para entender mais!

Luz Quente

Valores mais baixos, de até 3.500K: correspondem a uma luz branca quente, sendo ela aquela tonalidade mais amarelada. Muito famosa e associada às lâmpadas incandescentes, o branco quente tem como característica deixar o ambiente com aspecto de maior relaxamento, pelo fato de produzir um pouco menos de lúmens se comparado ao branco frio. Essa tonalidade é perfeita para quartos, salas de estar e jantar e também para espelhos e camarins, pois essa tonalidade tem a capacidade de manter as cores mais naturais, como por exemplo, deixar a cor do alimento com aspecto mais saboroso ou o tom da pele em sua cor mais natural

Luz Fria

A partir de 5.500K: temos a luz branca fria, de aparência mais azulada. Essa luz a capacidade de produzir mais lúmens se comparado ao branco quente, por isso deve ser usada em ambientes que se necessitam de um nível maior de atenção para a realização de tarefas. Como cozinhas, lavanderias e escritórios. 

Luz Neutra

Valores intermediários, entre 3.500K e 5.500K: são de luz branca neutra, seu tipo de luz se aproxima mais da luz do dia. Ilumina naturalmente os ambientes internos e externos sem distorcer as cores reais dos objetos.

Vale destacar que a temperatura de cor não possui nenhuma influência no consumo da lâmpada. O produto não utiliza mais ou menos energia em função da tonalidade do seu facho luminoso, mas sim de acordo com a potência do produto. Quanto maior sua potência mais será o seu consumo de energia.